26 de out de 2009

O Avesso e a Vanguarda

***


Artigo publicado no Instituto Humanitas Unisinos, de autoria do sociólogo Francisco de Oliveira, contém uma imprecisão imperdoável.
O pernambucano Chico Oliveira fez parte ativa do Partido dos Trabalhadores até 2003. Entretanto, ao deixar o partido, tornou-se crítico feroz ao esquerdismo de Lula. Afirma que o Presidente, hoje, está à direita de FHC devido ao consenso em torno de seu nome. O teórico analisa, no artigo O avesso do avesso, a trajetória política do Brasil desde a Proclamação da República, passando pelos personagens mais importantes da História , até chegar aos dias de hoje.
Era de se esperar que suas observações à respeito das políticas econômicas e sociais deste governo, oriundo das bases sindicais, fossem focadas na continuidade do processo capitalista.
De fato, o governo Lula não implementou a Revolução Socialista idealizada pelo PT, e outros partidos de esquerda, na década de 80. É verdade, como diz em seu artigo, que a classe A/B foi a que, proporcionalmente, mais creceu no Brasil na era Lula.
Mas, infelizmente, o sociólogo esqueceu um fato importante da história recente, que, com certeza, fez modificar a estrutura política mundial: a queda do Muro de Berlim. Seu artigo menciona a Carta del Lavoro de Getúlio Vargas, a queda de Mikhail Gorbachev e sua consequência, mas ignora o simbolismo do fim do regime comunista no mundo.


A VANGUARDA a qual Chico Oliveira de refere, se desfez, em pó, quando o muro caiu. Comunistas do mundo inteiro se viram destituidos de uma ideologia que acreditavam positiva e, sobretudo, possível.
Não quero mencionar a positividade ou a possibilidade de existirem países comunistas. Não tenho capacidade para tanto. Mas vejo um homem alcançar o poder político máximo de uma sociedade e, à partir do dia de sua posse, estar diante de tomada de decisões que podem mudar o futuro de seu país.
Acho que posso, na teoria, concordar com quase tudo o que diz o Professor Chico de Oliveira. Na teoria. Tenho absoluta certeza que Lula também deve concordar. É uma questão de lógica e coerência teórica.
Mas a prática se mostra exatamente ao avesso! E é aí que o artigo torna-se impreciso.
Antes de sua primeira eleição a Presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva publicou a Carta aos Brasileiros. Lá, afirmava literalmente que respeitaria os contratos em vigor. Assumiu, perante a sociedade brasileira, a opção por dar continuidade ao capitalismo vigente, apesar de todas as indecências nele (capitalismo) contidas. Essa manifestação o elegeu; acalmou a burguesia que tanto o temia e pôde vencer a direita.
Então, usando os instrumentos disponíveis, colocou em prática aquilo que era mais necessário, mais terrivelmente urgente, para grande parte do povo brasileiro: acabar com a fome! Criou o Fome Zero e este foi o passo inicial para desenvoler as políticas sociais que hoje o colocam com uma popularidade invejável.
Qualquer pessoa com um mínimo de bom senso sabe o quanto foi importante - e ainda é! - a distribuição de alimentos e renda pelos cantos mais pobres do Brasil. É óbvio, e o Professor Chico sabe perfeitamente, que é impossível pagar a imensa dívida social que foi construída desde o descobrimento. O Professor sabe que Lula, ou qualquer outro, não tem tempo suficiente para acabar com a miséria brasileira. Isto é um trabalho de muitas gerações.
O importante é que o pontapé inicial foi dado.
Sem rupturas, sem provocações. Chico de Oliveira não tem o direito de cobrar de Lula uma revolução socialista no Brasil. É cruel de sua parte querer que Lula coloque em prática seus ideais de sindicalista. O muro caiu e, com ele, as possibilidades de mudanças radicais na história do homem.
Cabe a intelectuais como Francisco de Oliveira buscar outras formas de eliminar as desigualdades sociais do mundo moderno. No Brasil, os instrumentos disponíveis são esses. Lula os está usando em benefício da grande parcela desprezada da população. Está no caminho certo.
***

22 de out de 2009

A pobreza da Folha.

***
Publicada hoje, na Folha de São Paulo, entrevista do Presidente Luis Inácio Lula da Silva pelo repórter de politica Kennedy Alencar.
O que mais me chamou a atenção foi, além da famosa tendenciosidade do periodista, a pobreza das perguntas feitas ao presidente da República.
A certa altura, o rumo da entrevista alcançou a eleição presidencial de 2010 e tocaram no assunto das candidaturas. Kennedy pergunta qual a razão de Lula ter escolhido Dilma Rousseff como sua candidata preferida, em detrimento de outros nomes mais conhecidos na legenda petista, e, diante da resposta do presidente, ele dispara a seguinte pérola:
FOLHA - O sr. a acha preparada para presidir o Brasil?
Que resposta ele esperava, NÃO?
É impressionante como determinados setores da midia se consideram espertos. No fundo, de tão despreparados e comprometidos com os interesses de seus patrões, acabam produzindo asneiras deste tipo. Tentam transmitir a imagem de intelectuais mas acabam afundando na própria ignorância.
Outra pérola, com resposta à altura:
FOLHA - Zelaya completou um mês na embaixada brasileira fazendo política interna. Não foi longe demais?
LULA - Só tem um exagero em Honduras. É o golpista.
Não é incrível?
Alguém precisa aconselhar estes repórteres a fazer perguntas mais inteligentes. Achar que pode passar a perna num politico tarimbado como Lula é, no mínimo, ingenuidade.
Para não dizer burrice ...
***

20 de out de 2009

Os cara de pau.

***
E agora mais essa:

Arthur Virgilio e Álvaro Dias, da oposição bem-te-vi, pautando a imprensa mais comprometida do planeta:
Disseram, com a maior cara de pau, que ...surgiram fatos novos e provas irrefutáveis ... sobre a descoberta da agenda de Lina Vieira.
Para relembrar: ela mesma, a malvada Lina da fábula da agenda vermelha, disse em seu depoimento no Senado que não houve reunião em 09 de outubro porque ela estava em São Paulo ...
A continuar neste ritmo de falta do quê dizer, a midia corporativa não sobrevive até a posse da Presidenta Dilma Rousseff em 2011.
***

17 de out de 2009

A FÁBULA DA AGENDA DE LINA.

***
Era uma vez uma agenda vermelha.
Sua dona era uma menina chamada Lina.
Lina tinha um grande defeito: gostava de mentir.
Um dia, Lina fez uma coisa muito feia e o Rei a mandou embora do Castelo.
Lina morava num reino distante, porisso teve que arrumar suas malas e voltou para onde viviam seus familiares.
Encaixotou todos os seus brinquedos e suas roupas e partiu. Sua agenda vermelha, ela embrulhou em um lindo papel dourado e o colocou no fundo do baú dos brinquedos.
Lina ficou muito brava. Como ela gostava de mentir, espalhou que uma Ministra do Rei tinha feito uma coisa muito feia, e disse que tinha escrito na sua agenda vermelha o dia em que se encontrou com a Ministra.
Mas ela não podia mostrar a agenda, senão seria desmascarada. Disse, então, que sua agenda estava no fundo do baú dos brinquedos e que precisava de muito tempo para encontrá-la.
O tempo foi passando e ela continuou mentindo. Inventou uma data para dizer que esteve no castelo da Ministra, mas não conseguia provar. A cada mentira, ela ficava mais enrolada.
Então Lina conheceu um malfeitor que lhe prometeu ajuda. Era o dono da revista Veja que também gostava muito de mentiras. Combinou com Lina o que ela deveria dizer, e ele escreveria em sua revista as mentiras. Ele disse assim:
Vou te ensinar uma lição importante: como criar uma verdade à partir de uma mentira.
O malfeitor chamou um menino de nome Reinaldo, e pediu que ele dissesse que viu a agenda de Lina e que ela havia escrito alguma coisa sobre o encontro com a Ministra do Rei. Reinaldo também era mentiroso, e ficou feliz por dizer que viu a agenda vermelha de Lina.
As pessoas do reino quiseram saber de Lina se era verdade, mas ela começou a chorar e disse que tinha ficado muito triste com tudo o que tinha acontecido, e que não queria mostrar a agenda e nem falar mais no assunto.
Lina fez como o malfeitor pediu. Insistiu na mentira, com a ajuda de outras pessoas más, para que todos acreditassem que era verdade.
Lina acha que todos no reino exageram quando a chamam de mentirosa, mas ela tem medo da verdade. Como o malfeitor da revista Veja e o menino malvado chamado Reinaldo.
Ninguém acreditou na mentira que eles inventaram e todo o reino riu dos mentirosos.

Moral da história:

A mentira nunca vira verdade.
Quem mente, nasce uma espinha na pontinha do nariz e não ganha presente de Natal.
***

16 de out de 2009

(re)Começou a choradeira.

***

TUCANO VAI VIRAR BEM-TE-VI

A oposição está inconformada com a transposição do Velho Chico.

Nem tanto com a obra - elogiada por vários especialistas - mas com a viagem do Presidente Lula ao nordeste do país.

A comitiva do Presidente inclui a Ministra Dilma Rousseff e o deputado Ciro Gomes, ambos pré-candidatos à vaga do Palácio do Planalto.

Esta é a razão da choradeira: a exposição de figuras públicas ao lado do Presidente mais popular da história do Brasil, preocupa. Porisso o lider do PSDB na Câmara vai protocolar pedido de informações à casa Civil.

O medo tucano cresce à medida que se aproximam as eleições.

É fato que a Ministra Dilma Rousseff está crescendo nas pesquisas, por mais que os institutos insistam em dizer o contrário. Este crescimento está deixando a direita conservadora de cabelo em pé.

De tucanos, vão acabar virando bem-te-vi ...

***

Pausa.

***
Após ligeira pausa, o Pirata volta a blogar normalmente.
Porque piratas também merecem férias, mesmo que curtas.
***

5 de out de 2009

100 dias de golpe.


Honduras, 05 de Outubro de 2009. Exatos 100 dias após a derrubada do presidente eleito democraticamente, Manoel Zelaya, em 28 de Junho, a imprensa insiste em classificar o golpista Micheletti de Presidente Interino.

Interino?

Presidente Golpista, é como deveria ser chamado. Usou a força para cuspir na Constituição Hondurenha e, mesmo assim, é visto com bons olhos pela imprensa corrupta e comprometida do Brasil.

Quando os golpistas fecharam a TV36 não li, ouvi, ou soube, dos gritos da midia brasileira contra a censura e a falta de liberdade de imprensa, como quando Hugo Chavez fez o mesmo em Caracas.
Pelo jeito, a midia mais comprometida do planeta está se comprometendo, também, com os golpistas hondurenhos. Por sorte, a diplomacia brasileira está agindo com o caráter e firmeza necessários para deixar clara a posição do Brasil:

Fora, golpistas!

Respeito à democracia é assim.

***

3 de out de 2009

A inveja!

***
Interessante a cobertura da imprensa mais comprometida do planeta 'a respeito da escolha do Rio para sede dos Jogos Olímpicos.
Mais da metade dos comentários dos ditos jornalistas são negativos, como se vencer uma disputa contra Chicago, Tókio e Madri fosse natural e pouco importante. Afinal, serão os primeiros Jogos realizados na América do Sul, e isso não é nada desprezível.
Se existem problemas estruturais no Brasil, esta é a oportunidade de resolvê-los. Tenho certeza que esta midia é muito responsável pelo agravamento dos problemas sócio-estruturais que, 'a partir de agora, podem, definitivamente, começar a ser solucionados.
A inveja e o rancor dos órgãos ditos de imprensa é enorme; nitidamente exibido nas caras dos apresentadores de telejornais O desânimo por mais esta vitória do Presidente Lula nem ao menos é disfarçado.

Azar o deles!

***

2 de out de 2009

Rio, 2016.

editado às 17h50
***
Obrigado, Presidente Luis Inácio, pelo empenho na escolha do Brasil, do Rio de Janeiro, para sede das Olimpíadas de 2016.


Obrigado a todos os que participaram, pelo esforço e dedicação.
Com certeza, será um marco para o desenvolvimento do país; o evento trará os olhos do mundo para o Brasil, primeiro, com a Copa do Mundo de Futebol em 1014, e, agora, com as Olimpíadas.
Não sei porque, mas tenho a impressão de que o Brasil nunca mais será o mesmo.
***