17 de jun de 2013

O MANIFESTO DO SANDÁLIAS DO PIRATA.




***

Às vésperas da Copa do Mundo da Alemanha e da África do Sul ocorreram manifestações de descontentes como as que vemos tomando as ruas das principais cidades do país. São movimentos legítimos, organizados ou não, que se aproveitam da chegada da mídia internacional para dizer o que pensam.

O que está ocorrendo no Brasil, desde a semana passada, pode esmaecer. Ou não. O tempo dirá – e a reação da sociedade pode depender do resultado dos jogos do Brasil ... parece estranho mas, caso levantemos a taça de campeões o ânimo pode acalmar e tudo volta ao normal. E se perder? Isso deveria influir?

A lição importante que se retira deste episódio, que não sabemos onde vai dar, é a vontade popular sendo expressa nas ruas, pacificamente ou não, pelas mãos e vozes de garotos e garotas de todas as classes sociais, por todos os cantos. Atitude louvável, própria da juventude que quer mudar seu país. Já fiz muito disso em tempos passados, agora os assisto apenas.

E torço.
Torço muito para que saibam o que estão fazendo, para que não se deixem manipular por espertinhos interessados em tirar proveito político; que sigam adiante na busca e conquista de seus ideais, mas que o façam com sabedoria. Minha geração errou. Morremos e fomos torturados, demos um recado e fomos abafados pela força. Envelhecemos mas não perdemos a vontade de ver mudar a ordem das coisas. Por isso, torço.

Por outro lado, desconfio das razões que os levam às ruas. Claramente, os 20 centavos foram o pretexto de mobilização, deu resultado, e logo vieram mais cobranças: saúde, educação e segurança, os mais exigidos.

Volto a repetir, são direitos super hiper legítimos para qualquer sociedade, sobretudo para a nossa tão desigual. Esta luta, se realmente popular, pode nos levar a um estágio de desenvolvimento social que minha geração tanto lutou. Mas deve partir do povo, não se deixar manipular é a premissa básica na busca de resultados efetivos.


Não me parece que é o que está acontecendo.
A sensação de que partidos de oposição estejam “usufruindo” das passeatas e manifestações me deixa um gosto amargo na boca. Na carona, leio discursos de Senadores da República da oposição em apoio aos manifestantes como se estas bandeiras fossem deles; a mídia fundamentalista, descaradamente, os repercute como se fosse verdade. Beira o ridículo ver o PSDB,  DEM e PPS alinhados com o MPL – Movimento Passe Livre.

A propósito do MPL, e esta é a razão de meu manifesto: é legítimo pedir ônibus “de grátis” no modelo privatizado de transporte coletivo que temos em vigor hoje no Brasil? Ou querem mudar o modelo, estatizar as companhias e fazer o Município pagar a conta? Aliás, todos os municípios do Brasil estariam dispostos a estatizar suas frotas?
Ou teríamos um modelo mix: meia calabresa e meia mussarela?
Existem propostas, ou só querem que liberem as catracas em São Paulo e grandes cidades? E as pequenas, e a zona rural?

Aliás, caso as manifestações se proliferem e cresçam ao ponto de ruptura institucional, me pergunto quem assumirá o país, qual o partido ou liderança política? Até onde sei todos os que aparecem tecendo opiniões são ou já foram governo... existem partidos e nomes novos? Quem?
 
Meu manifesto não é pelo busú 0800, nem pela saúde, educação ou segurança. É pela decência do cidadão, de todos, ricos e pobres, pela educação doméstica das crianças dentro de suas casas.

Ou alguém vai me convencer que teremos melhores Hospitais e Escolas enquanto o sujeito urina na rua? Ou estaciona na vaga de idoso em supermercados? Ou compra ingresso do cambista na casa de shows? Ou faz gato de internet com o vizinho? Ou suborna o policial que o flagrou em alta velocidade? Ou aquele que dirige embriagado?

Posso passar horas listando os “pequenos crimes” que cometemos diariamente sem pensar que estamos prejudicando alguém... sim, nós os cometemos e saímos para pedir o fim da corrupção? É retórico ser cara de pau...

Venho defendendo os sucessivos governos do Partido dos Trabalhadores na certeza de que estamos no rumo certo, na medida do possível. Recebo inúmeras críticas por isso, mas não me importo. Tenha uma certeza guardada comigo que trago há anos, que o Brasil só será decente quando não houver mais gente com fome. E isso, pelo menos não se pode negar, este governo está alcançando. Mais lentamente do que poderia, é verdade, mas nunca se fez tanto.

A sabedoria me ensina a temer as consequências de movimentos descoordenados e sem propostas concretas. Na democracia, é imprescindível. Ou retrocedemos.

***

Um comentário:

JOEL BENTO CARVALHO - ITAARA'S BLOGS disse...

http://blogdeitaara.blogspot.com.br/2013/06/voce-perdeu-dilma-parafraseando-o-voce.html