6 de mar de 2013

Venezuela y Cuba.


***


Ao ler a notícia da morte de Hugo Chávez, ontem, foi difícil não remeter a lembrança a Fidel Castro. Duas lideranças políticas das mais relevantes na América Latina, um doente e outro, idoso e já debilitado.

O desdobramento da perda de Chávez será determinante para o futuro da Venezuela, assim como será Cuba sem Castro. Ambas as Pátrias estão em oposição aos EUA e a eficácia da influência norteamericana em Caracas daqui por diante poderá revelar, de modo inequívoco, qual será a atitude do governo da maior potência econômica e militar do mundo em relação a seus oponentes do hemisfério sul.

A economia venezuelana está fortemente atrelada à produção e exportação de petróleo. Por volta de 90% de suas exportações está ligada a esta atividade, logo, seu PIB é ultradependente. Esta é a razão que liga fortemente os EUA a Venezuela. Um precisa do outro. Entretanto, assim que Hugo Chávez passou a controlar a exploração e a comercialização do petróleo, nasceu um ódio recíproco. Chávez, em discurso na ONU, fez o sinal da cruz ao mencionar o nome de George W. Bush e disse que sentia cheiro de enxofre! Em pleno território americano!

A Venezuela estatizou a exploração e distribuição de sua maior riqueza e dezenas de empresas norteamericanas  deixaram o país. A partir de Chávez, criou-se uma política de apoio aos países mais pobres do Caribe com a venda de petróleo a preços subsidiados. Hoje, a América Central gasta 19% de seu PIB em compra de petróleo da Venezuela! Chávez incomodava muito aos irmãos do norte.

O uso político do petróleo, com o investimento da renda gerada em melhorias sociais, provocou ações de desestabilização do governo democrático da Venezuela, por parte dos EUA, a ponto de agentes dos EUA promoverem um golpe de Estado contra Chávez, conforme revelaram documentos vazados pelo WikiLeaks. Em Abril de 2002, o empresário Pedro Carmona, sob coordenação de Washington e com auxilio de parte da mídia, partidos de oposição e militares rebeldes, se autonomeou Presidente da Venezuela e depôs o Presidente eleito. Pouco depois, diante da pressão popular, Carmona renunciou e Chávez voltou ao poder. A oposição venezuelana nunca descansou; o objetivo sempre foi desacreditar El Comandante na mídia ocidental – no Brasil, os grandes meios de comunicação sempre trataram Chávez como populista, ditador, caudilho, antidemocrático, louco, etc. – com o claro objetivo de sacá-lo do poder.

É preciso lembrar, nesta altura do post, que todas as eleições vencidas por Chávez foram legítimas e democráticas; observadores internacionais, da OEA, inclusive, estiveram presentes em todas elas e nunca puderam constatar fraudes. Ainda, não podemos esquecer que, diante da pressão exercida pelos EUA e pela oposição local, em 2004, Hugo Chávez lançou um Referendum para reafirmar sua liderança como chefe de Estado e de Governo. Venceu com 59% dos votos. Portanto, taxá-lo de ditador nada mais é que querer combater suas ideias através de mentiras.

Todo tipo de acusações foram feitas a Hugo Chávez, nenhuma com consistência o suficiente para fazê-lo perder eleições. O povo venezuelano o adora, é fácil constatar. Seus detratores nunca aceitaram as reformas constitucionais promovidas por seu governo bolivariano – aumento dos direitos dos antes marginalizados, criação dos Conselhos Comunais e das cooperativas de trabalhadores, implementação das Missões Bolivarianas (ações de justiça e bem estar social, luta contra a pobreza, melhoria do sistema educacional e militar, etc.), reforma agrária, etc..

Pois bem, hoje a Venezuela chora seu líder. A oposição venezuelana começa a mostrar os dentes. Henrique Capriles, o opositor derrotado nas últimas eleições presidenciais, que estava em Miami ontem (em Miami ....) já declarou que o momento é de calma e que o país deve respeitar a dor. Mas, é claro, já se lançou candidato para as eleições presidenciais de emergência convocadas para daqui a 30 dias, conforme prevê a Constituição. O candidato da situação será Nicolás Maduro, atual Vice-Presidente.
A previsão é de vitória de Maduro, herdeiro político de Chávez, diante de um quadro de comoção social.

Mas, e quando Fidel Castro morrer?
Se Chávez era um inimigo comercial dos EUA, Fidel é o maior inimigo político dos norteamericanos desde os anos 60 do século passado. Uma ilha que tentaram invadir sem sucesso, onde promovem – até hoje – ações de tentativas ilegais de desestabilização do governo local, até planos de atentado a morte contra os Castro. Tudo vazado pelo WikiLeaks através de documentos oficiais.

A “democracia” que os EUA pretendem exportar não tem limites e muito menos respeito pelos povos onde intrometem seu nariz. Quando invadem uma Nação para impor seu modelo à força, tudo o que conseguem é matar sumariamente todos os que se colocam contra sua vontade! E, pior, não conseguem instalar o regime de governo que pretendem e jogam suas vítimas em infindáveis guerras sangrentas. Não foi assim no Afeganistão e no Iraque? Na Coréia e no Vietnã? Não é por esta razão que o soldado americano Bradley Manning está preso há mais de mil dias sem julgamento, pelas imagens do frio assassinato de inocentes no Iraque? Qual o nome da “democracia” que permite uma base militar em Guantánamo?

Em Cuba, país que sofre há mais de 50 anos com um bloqueio comercial desumano, será o ponto de honra da política externa do Presidente de plantão tão logo seja anunciada a morte de Fidel Castro. Já deve estar em curso um plano de ação para que a ilha seja inundada por propaganda norteamericana. Passarão por sobre os cubanos como um trator?

***

Nenhum comentário: