13 de mai de 2014

AS CÓLICAS DE JOAQUIM

***


A dor forte fez o pesado corpo arquear; a musculatura da face contraiu-lhe as feições e a expressão tornou-se ainda mais rude.

Como se possuísse um útero, uma hystera, sentiu que ia parir. Correu para a cozinha de seu apartamento funcional. Bebeu, da torneira da pia, goles de água com gosto de cloro; ergueu a cabeça para o alto querendo facilitar a passagem da água pela traqueia.

Parir pela boca? Não! Engoliu saliva repetidas vezes pensando unicamente em controlar a dor até, finalmente, acalmar suas entranhas. O esforço cansou-lhe as pernas mas conseguiu arrastar-se até a sala; sentou-se à poltrona diante da enorme janela que dava para o pátio onde, em sonhos recorrentes, via a multidão aclamá-lo como Rei!

Adormeceu. Era tarde da noite e o silêncio o dominou. Tanto gostava daquele sonho que esperava poder repeti-lo. O povo em êxtase a gritar-lhe o nome ... costumava acordar mais feliz, leve; dava-lhe ânimo para voltar ao trabalho e seguir adiante em sua missão que considerava nobre.

Mas naquela noite não sonhou. A ebulição em seu abdômen disforme recomeçou enquanto roncava; o gosto amargo na boca, a falta de ar e o suor que escorreu por seu pescoço fizeram-no despertar. As cólicas, agora, eram ainda mais fortes. Aquilo que lhe servia de útero pulsava freneticamente no ritmo de seu coração: vou explodir, pensou!

Ao tentar levantar e correr, escorregou. Os braços quiseram apoiar o peso de seu corpo mas, sem resistência, cederam e sua cara bateu forte no carpete de 10 milímetros na cor marfim. Perdia o controle, começava a expulsar o ser que ele aprisionara com tanto esforço, com tanto senso de dever cumprido, como em resposta à multidão de seus sonhos.

Por impulso, a boca abriu-se e um líquido quente e viscoso começava a ser expelido. Preciso engolir, preciso engolir, pensou, mas não havia mais o que pudesse conter sua presa.
Então ele pariu manchando de líquidos e sangue o carpete. Sua garganta parecia rasgar, a dor intensa o fez desfalecer durante o parto, perdeu os sentidos por não mais que dois minutos, a tempo de ver José Dirceu estatelado no chão sujo, nú, olhos arregalados de terror.

Recobrou as forças rapidamente. De um salto, ergueu o corpo do chão e, sem pensar duas vezes, tomou a criatura imunda em suas mãos e abriu a boca para voltar a engolir seu monstro. Teve dificuldade, é certo, mas era a única coisa a fazer no momento. Ainda estava quente e viscoso. Engoliu e aprisionou novamente em suas entranhas aquela aberração que só ele era capaz de dominar e prender.

Amanheceu e ele, depois de limpar o chão da sala e mesmo com o incômodo que sentia, foi trabalhar. Tinha esperança de que aquilo nunca mais voltasse a acontecer.


***

3 comentários:

Valdeir Vieira disse...

Excelente blog parabéns!

http://www.valdeirvieira.com/unique-residencial/

Acácio Cardoso disse...

Bom

João Luiz Pereira Tavares disse...

A ilusão do Petismo [cultura da mentira]:


PT é TRUCULENTO, embusteiro, picareta, VIGARISTA. O PT é um tipo de religião CHARLATÃ.

Lula e sobretudo dilma são IMPOSTORES.