9 de jan de 2009

FENÔMENOS: Ronaldo e a Inflação

Acaba de ser divulgado o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor - Amplo) de dezembro 2008.
Ficou em 0,28%. Abaixo da taxa de novembro (0,36%) e bem longe de dezembro 2007 (0,74%).

É o índice de inflação do período, medido pelo IBGE, que mostra a tendência de declínio.
Assim, a taxa anual ficou em 5,9%.

Nada mal, apesar de ser o maior dos últimos 4 anos.
A meta fixada pelo ministro Mantega e sua equipe, era 6,5%.

Vi analistas famosos jogando água nas previsões do Planalto assim que a crise internacional começou a quebrar bancos e empresas nos EUA.
Falavam, do alto de sua credibilidade, em mais de 7,0% no ano; alguns, provavelmente donos de bolas de cristal, previam até inflação maior. Ouvi falarem em 2 dígitos.

Taí.
Mais uma vitória do pessoal que cuida das finanças do país.
Acertaram em cheio, e teriam revisto a previsão, para baixo, não fossem os problemas externos e o forte aumento no preço dos alimentos.
Sem a crise, a inflação não passaria dos 4,5%.

Essa seriedade no governo é que faz a crise parecer distante; a credibilidade do governo atrai investimentos externos, e nossa capacidade de resolver os problemas do país melhora a cada nova divulgação de índices.

Sim. Ia esquecendo.
Ronaldo, o fenômeno!
Está acima do peso (como sempre ...)
Convém ele ir procurar o Ministro Mantega para saber quando ele voltará a ter o peso de jogador de futebol. O Campeonato Paulista já vai começar e ele anda gordo demais ... talvez o pessoal do Ministério da Fazenda, bom de previsões, possa dar alguma esperança à torcida corinthiana ...

***

Nenhum comentário: