25 de mai de 2010

PALAVRAS VAZIAS DE BARACK OBAMA.

***

Interessante artigo de Roger Cohen, no The Herald Tribune, dia 21/05, chamado America Moves the Goalposts, trata do acordo nuclear assinado por Irã, Brasil e Turquia.

Vai a fundo na questão beligerante norteamericana e afirma que acreditava que Obama se comportaria de modo diferente em relação ao Irã. Em tom decepcionado, diz que a reação exacerbada do governo americano e das outras potências, em relação ao acordo, afunda Obama no fracasso.

Em seu ponto de vista, Hillary Clinton foi "rápida no gatilho" ao disparar contra as posições dos emergentes (que continuarão emergindo) Brasilia e Ankara; o Ocidente não é mais capaz de impor soluções globais ao resto do mundo; os EUA se envolveram em duas guerras sangrentas e não conlcuídas contra países muçulmanos, e não podem começar uma terceira.

Na Turquia, o sentimento é de traição. Incentivados por Obama, os turcos fizeram todos os esforços para "arrancar" de Teerã o acordo proposto pela Agência Internacional de Energia Atômica, nos mesmos moldes estabelecidos desde outubro entre os técnicos.

O ministro das relações exteriores turco, Ahmet Davutoglu, disse estar com raiva pela posição americana, e acreditava estar construindo uma frágil ponte de segurança mundial.

Cohen termina dizendo que, ano passado, Obama disse na ONU que começava uma nova era de repartir responsabilidades. "Juntos devemos construir coalizões que superem as divisões". Brasil e Turquia fizeram sua parte, e foram esnobados (... and got snubbed. Obama has just made his own enlightened words look empty…)... Obama só fez suas palavras iluminadas parecerem vazias …

Enquanto isso, no hemisfério sul, a imprensa subdesenvolvida tece criticas à diplomacia brasileira por causa do acordo. Que pena que poucos jornalistas sejam isentos!

***

7 comentários:

João Rossi Parreiras disse...

Brizola Neto lança a campanha pela legalidade: "Eleição se ganha no voto"!

Participem!

http://www.tijolaco.com/?p=15748

Adriano Vieira disse...

O acordo inicial, feito pelo governo americano, no qual o Irã deveria entregar 1200 Kg de seu urânio deveria ter sido acordado a meses atrás. Hoje, é fato, a situação mudou.
Eu diria que o irã "usou" Lula para tentar ganhar ainda mais tempo... Por que no acordo não constava a permissão de vistorias da AIEA nas usinas nucleares irânianas? Por que o Irã manteve, durante tanto tempo, diversas usinas sobre "clandestinidade" para a AIEA? ...
Na minha modesta opinião, os EUA tem mesmo que se preocupar sim. Afinal, um país que diz querer que Israel "suma do mapa", não parece estar tendo outras pretenções além de jogar o mundo ao caos.

Júlio Pegna disse...

Prezado Adriano;
Barack Obama está perdendo a oportunidade de ser diferente. Se os EUA querem, de verdade, um acordo, devem negociar.

Como disse Cohen na matéria que citei, o fracasso de uma tentativa de intimidação pela força é iminente e poderá, aí sim, provocar o caos.

O Irã pode ter usado a diplomacia brasileira e turca; pode ter querido ganhar tempo. Mas combater o mal usando o mal já foi testado antes e, convenhamos, não deu certo.

A unica via que pode levar a uma solução é a diplomacia. Tudo o que for feito fora disso será com sangue.

Quanto a Ahmadinejad querer fazer desaparecer Israel, não é lá muito diferente do que Israel quer dos palestinos e do resto do mundo muçulmano .. com a diferença que as ações israelenses são no sentido de promover a guerra e o exterminio, enquanto o Irã está apenas, ainda, na ameaças.

Obrigado pela visita e pelo comment. Volte sempre!

Abraços!

Adriano Vieira disse...

Perfeitamente Júlio,

de fato, concordo com sua posição em muitos dos fatos citados.

Avaliando a situação atual, com a tensão entre as coreas, o governo americano pode estae prestes a arcar com uma terceira guerra (além das duas as quais arca atualmente).

Devemos entender, EUA é um país bélico. Perceba que, assim como os EUA, França e Russia também se encontram, digamos, preocupados com as ambições bélicas do Irã. São países que se construiram usando do militarismo e, agora, não há como voltar no tempo.

Para nós, brasileiros, um povo que nunca se envolveu, primariamente, em guerras e que, portanto, não tem inimigos declarados, é fácil pensar em negociação com países como o Irã.

Além do mais, o Brasil (por intermédio de Lula - que por sinal sou fã) últimamente vem criando contráditórias relações com governos como o venezuelano e o boliviano, em decrimento das relações com os EUA (um dos principais parceiros do Brasil em investimentos).

Estou, sinceramente, preocupado. Depois da Venezuela, Bolívia e Irã, temo pensar que não me surpreenderia se o Brasil começar a "por o dedo" em relações entre as duas coreas.

Agradeço a oportunidade de participação, caro amigo.

Abraço.

Júlio Pegna disse...

Adriano, debates são sempre bem vindos! A idéia do blog é exatamente promover troca de idéias!

Vc citou as Coréias. Qual a razão dos EUA não intervirem lá, como fizeram com Iraque, Afeganistão ... Vietnã ... simples: é zona de influência chinesa! Obama não é besta de ir mexer com a China - comunista como a Coréia do Norte!

Vc tem razão. Somos, o Brasil, uma pátria de paz e é exatamente isso que nos dá credibilidade para que nossa diplomacia tente evitar a guerra. No caso do Irã, a mediação brasileira foi solicitada por Teerã e Ankara; Lula não foi meter o nariz sem ser chamado. Sarkozy tb incentivou e Obama, não esqueça, mandou carta a Lula agradecendo a mediação.

Não nos enganemos com a questão da Venezuela, Equador e Bolivia. São paises vizinhos de grande importância para a paz na América do Sul, e, por nossa vocação, devemos tratar com todas as lideranças da mesma forma, respeitar Chavez como se respeita a Rainha da Inglaterra!

Discordo de vc quando diz que EUA são os principais parceiros do Brasil. A China já compra mais de nós que os americanos; quanto mais nos afastarmos deles, melhor para nosso crescimento. Eles podem controlar a ONU, o FMI e o banco Mundial, mas não podem nos impedir de ir buscar novas fronteiras comerciais. Brasil, Russia, China e India - BRIC - podem buscar seu desenvolvimento sem ter que se atrelar aos dogmas liberais-econômicos do ocidente.

É isso que o PT está fazendo. É assim que traremos o bem estar ao nosso povo tão sofrido e explorado por séculos!

Abracos!

Adriano Vieira disse...

Concordo Júlio.

Agradeço novamente a participação... encontrei aqui um local onde pude discutir minhas ideias.

Vou virar seguidor do Blog. =) (embora, as vezes, apresentarei algumas opniões contrárias mas, como você disse, o espaço é para isso mesmo)

Forte abraço.

Júlio Pegna disse...

You're welcome!
Prefiro alguém com opiniões contrárias, para poder debater, a quem abaixa a cabeça.

Obrigado pela visita.